segunda-feira, 2 de fevereiro de 2009

SONETO CV



Não chame o meu amor de Idolatria 
Nem de Ídolo realce a quem eu amo, 
Pois todo o meu cantar a um só se alia,
E de uma só maneira eu o proclamo. 
É hoje e sempre o meu amor galante, 
Inalterável, em grande excelência; 
Por isso a minha rima é tão constante
A uma só coisa e exclui a diferença. 
'Beleza, Bem, Verdade', eis o que exprimo; 
'Beleza, Bem, Verdade', todo o acento; 
E em tal mudança está tudo o que primo, 
Em um, três temas, de amplo movimento. 
'Beleza, Bem, Verdade' sós, outrora; 
Num mesmo ser vivem juntos agora.
William Shakespeare


3 comentários:

traços de um homem disse...

Esse soneto é perfeito sem comentarios,
Bela escolha.
Beijos

A Flor do Sul disse...

E, ao fazerem juntas separação,
Do todo se distanciaram, chorosas
Dele abrindo mão
Para nela verem o espinho da rosa.

Parabéns pelo teu blogue. ÇA C"EST MAGIQUE.

A Flor do Sul disse...

A foto tb é muito bonita, atua.